BIODIVERSIDADE E SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS – SUGESTÕES DE ESPECIALISTAS

Para contribuir com os objetivos do Must Have brasileiro de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, as empresas instaladas no país, apoiadas pela sociedade e respaldadas pelo governo, devem trabalhar, até 2020, para:

  • Estabelecer protocolos padronizados de mensuração, monitoramento e relato sobre serviços ecossistêmicos, além de compartilhamento de informações.
  • Integrar considerações sobre serviços ecossistêmicos ao processo de tomada de decisão, nos seus diferentes setores.
  • Disseminar a incorporação da lógica dos serviços ecossistêmicos nas cadeias de fornecedores.
  • Consolidar metodologias para mensuração do custo ambiental que possibilitem sua internalização nas tarifas de água e energia.
  • Exigir o compliance da regulamentação ambiental tanto na cadeia de fornecedores quanto na concessão de créditos.
  • Apoiar o estabelecimento, a regulação e a implantação de iniciativas de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), acesso ao patrimônio genético e leis de incentivos fiscais correlatas.
  • Estabelecer metas, monitorar e relatar (incluindo dados da cadeia de valor) para iniciativas que visem à redução do desmatamento, da degradação e da poluição, assim como o aumento da recuperação de áreas degradadas.